Siga-nos

Esportes

‘The Last Dance’ e03 e e04: Dennis Rodman precisa de carinho

É impossível falar de Chicago Bulls e Michael Jordan sem passar por Dennis Rodman e Phil Jackson, o animal carente e o técnico hippie

Após um começo bom com estilo de introdução, ‘The Last Dance’ deu uma incrível guinada nos episódios 3 e 4, exibidos na noite do último domingo (26) na ESPN americana e disponibilizados na Netflix brasileira nesta segunda-feira.

O episódio 3 conta sobre o excêntrico Dennis Rodman. Afinal, é difícil falar de Michael Jordan e do Chicago Bulls sem falar do “Verme”, que detalhou a juventude problemática antes do estrelato no basquete. O pai o abandonou aos 12 anos de idade, enquanto a mãe não tolerou algumas atitudes rebeldes e o expulsou de casa.

Rodman era um defensor extremamente técnico, um dos melhores que o jogo já viu. Tinha incrível noção de posicionamento e batalhava por rebotes como se fossem o último da vida. Foi eleito como melhor jogador defensivo da NBA em duas oportunidades.

Dennis foi draftado e jogou por muito tempo no Detroit Pistons. O time que ficou notório pelo estilo de marcação agressiva e muitas vezes maldosa. A franquia foi responsável por quebrar a hegemonia de Boston Celtics e Los Angeles Lakers nos anos 1980, além de parar Jordan e o Chicago Bulls por três playoffs consecutivos, mesmo que nem sempre da forma mais limpa possível.

Rodman chamou atenção por mudar radicalmente o estilo. Roupas de couro, brincos, piercings, tatuagens e cabelos descoloridos. Antes de Allen Iverson, foi o sujeito a chamar atenção no basquete pelo estilo único de aparência.

Não vou entrar nos detalhes de uma das histórias mais hilárias do documentário até aqui, mas a relação de Rodman com Jordan no Bulls é a prova que, assim como Edmundo na capa da Revista Placar de 1995, Dennis era um animal que precisava de carinho, que queria ser amado. O mínimo de preocupação mostrado por Michael ajudou na motivação do carismático e curioso jogador.

Revistas Antigas on Twitter: "O animal precisa de carinho #1995 ...
Capa da Placar de 1995 com Edmundo, conhecido por ser um sujeito problemático

Já o quarto capítulo foca em um importante personagem: Phil Jackson. O técnico de 11 títulos revolucionou o ataque do Bulls com o esquema de triângulos e precisou conquistar Jordan após a demissão de Doug Collins, outro bom técnico, que era muito querido por MJ.

Com o famoso sistema de triângulos, Phil fez o Bulls ter um ataque mais criativo e menos dependente do Jordan. Unindo isso ao trabalho duro da equipe com o ódio pelo Detroit Pistons, Chicago levou o troféu pela primeira vez em 1991, derrotando o Los Angeles Lakers.

O episódio tem um desfecho ótimo, com imagens de uma derrota do Bulls para o Utah Jazz em fevereiro de 1998. A equipe leva uma virada incrível na mesma semana em que Jerry Krause volta a ganhar espaço por conta de declarações sobre o futuro de Jordan. A tensão foi oficialmente criada para a semana que vem.

‘The Last Dance’ acerta muito ao também contar sobre quem estava ao lado de Jordan em toda essa jornada. Rodman é um personagem incrível e mereceu esse episódio, da mesma forma que Jackson, mesmo sendo uma personalidade completamente diferente.

Nota: 10/10

Assine nossa newsletter

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas

Publicidade
Trending Now
Publicidade

Relacionados

Além de ‘The Last Dance’: 5 documentários de basquete para assistir na quarentena

Cinema

Tensão e drama: Paulo Andrade lembra sufoco com Tite em final da Champions League

Esportes

‘The Last Dance’ e09 e e10: Pais, pizza e viver no presente

Esportes

Cestobolista? Alô, Netflix! ‘The Last Dance’ mostra que é hora de atenção às legendas

Entretenimento

Publicidade
Assine nossa newsletter

Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Connect
Assine nossa newsletter