Siga-nos

Saúde e Bem-Estar

Dietas low-carb e low-fat não reduzem risco de morte

Segundo estudo, longevidade depende da qualidade e da quantidade dos alimentos ingeridos

Comer alimentos saudáveis é melhor que fazer dieta
Comer alimentos saudáveis é melhor do que fazer dieta, segundo pesquisa (Foto: Pixabay)

Atkins, detox, cetogênica (keto)… Existem inúmeras dietas “da moda” que se tornam populares ao serem realizadas por celebridades, especialmente influenciadores digitais no Instagram.

Apesar da promessa de rápida perda de peso e manutenção do estilo de vida saudável, um novo estudo sugere que é hora de você parar de se preocupar com o consumo de carboidratos (dieta low-carb) ou limitar a quantidade de gordura (dieta low-fat).

Para viver mais, é mais importante se concentrar na qualidade e na quantidade dos alimentos do que em relação aos açúcares e gorduras que eles contêm, de acordo com uma pesquisa publicada no dia 21 de janeiro na revista científica JAMA Internal Medicine.

Isso significa limitar carboidratos industrializados, açúcar refinado, carne vermelha e processada e enfatizar grãos integrais, nozes, frutas e legumes.

Entenda a pesquisa

No estudo, os pesquisadores avaliaram as refeições realizadas em 24 horas por 37 mil adultos residentes nos Estados Unidos de 1999 a 2014.

No final da pesquisa, a idade média dos participantes era de 50 anos e 4.866 deles haviam morrido – cerca de 13% do grupo. Pouco menos da metade dos que morreram sucumbiu devido a doenças cardíacas (849 pessoas) e câncer (1.068 pessoas), relacionados à dieta.

Os pesquisadores não encontraram diferença no risco de morte entre pessoas que ingeriam baixo teor de gordura (low-fat) e carboidrato (low-carb). Na verdade, o que fez a diferença foram as fontes de açúcar e de gordura escolhidas pelos participantes.

Afetando a longevidade

Dietas low-fat ricas em alimentos não saudáveis, como pão branco, carnes processadas e refrigerantes foram associadas a um risco 12% maior de morte, enquanto dietas low-carb também pouco saudáveis, tornaram as pessoas 16% mais propensas a morrer.

As pessoas que consumiram dietas low-fat e low-carb compostas por alimentos saudáveis, incluindo vegetais, frutas, legumes e grãos integrais, viveram mais, desfrutando de um risco 27% menor de morte.

“Esses achados sugerem que as associações de dietas com pouco carboidrato e com pouca gordura à mortalidade podem depender da qualidade e das fontes alimentares de macronutrientes”, afirmam os pesquisadores no artigo recém publicado.

Assine nossa newsletter

2 Comentários

2 Comments

  1. Luiz Consani

    11/02/2020 at 16:07

    Ou seja, quem come porcaria morre mais cedo, quem não come morre mais tarde. Mais ainda fica a pergunta, como fica o bacon ?

    • Rodrigo Fonseca

      11/02/2020 at 17:04

      Quem come bacon morre feliz

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas

Publicidade
Trending Now
Publicidade

Relacionados

Pesquisa que coloca Boulos em terceiro lugar na corrida pela prefeitura de São Paulo não tem registro no TRE

Política

Água corrente é a melhor forma de limpar frutas, verduras e legumes, de acordo com cientistas Água corrente é a melhor forma de limpar frutas, verduras e legumes, de acordo com cientistas

Lavar frutas, legumes e verduras com água e sabão elimina o coronavírus?

Saúde e Bem-Estar

O suco feito com as folhas do espinafre é rico em nutrientes, especialmente antioxidantes, e faz muito bem para nosso organismo O suco feito com as folhas do espinafre é rico em nutrientes, especialmente antioxidantes, e faz muito bem para nosso organismo

5 benefícios do suco de espinafre

Saúde e Bem-Estar

O novo coronavírus não pode ser transmitido por encomendas originárias da China, como acreditam algumas pessoas O novo coronavírus não pode ser transmitido por encomendas originárias da China, como acreditam algumas pessoas

20 mitos relacionados à Covid-19

Saúde e Bem-Estar

Publicidade
Assine nossa newsletter

Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Connect
Assine nossa newsletter