Siga-nos

Esportes

Olimpíada 2020 é adiada por um ano e mantém ‘sina dos 40 anos’

Por pressão dos atletas de todo o mundo, COI e comitê organizador local aceitaram fazer os jogos em 2021; nova data ainda será marcada

O Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou o adiamento dos Jogos de Tóquio 2020 nesta terça-feira (24). Por conta da pandemia mundial do novo coronavírus os jogos foram remarcados para daqui a um ano. A medida havia sido pedida pelo primeiro-ministro japonês Abe Shinzo e foi confirmada hoje após uma reunião por teleconferência.

“Na circunstância presente, e baseado na informação providenciada pela Organização Mundial da Saúde, o presidente do COI e o primeiro-ministro do Japão concluíram que os Jogos da 32ª Olimpíada em Tóquio devem ser reagendados para uma data para além de 2020, mas não além do verão de 2021, para garantir a saúde de atletas, todos envolvidos nos Jogos e a comunidade internacional”, diz o comunicado do COI.

Os jogos de 2020 serão os primeiros a serem adiados na história. Durante as duas grandes guerras mundiais os jogos de 1916, 1940 e 1944 foram cancelados. O de 1940, inclusive, também iria acontecer em Tóquio.

O Comitê Olímpico Internacional resistiu até o último momento ao adiamento do evento, mas cedeu a pressão dos comitês nacionais e, principalmente, das federações de atletismo e de natação norte-americanas. Austrália, Canadá, Noruega e Grã-Bretanha já haviam ameaçado não participar dos Jogos. 

A grande questão sobre o adiamento se refere à demora do comitê em postergar os Jogos Olímpicos. Há uma determinação em contrato de que mudanças de data devem ser estipuladas no máximo até 120 dias antes da data de início da competição — o que deixaria a quinta-feira como prazo limite. Entende-se que a organização do COI queria estender ao máximo esse adiamento, mas o efeito cascata das federações nacionais colocou a entidade contra a parede.

O bom-senso prevaleceu só por conta disso.

De 40 em 40, sempre um problema

Uma curiosidade é que, desde os jogos de 1940, de 40 em 40 anos acontece alguma coisa para tirar os jogos da normalidade.

Em 1980, já na reta final da guerra-fria entre EUA e URSS, os jogos de Moscou foram boicotados por mais de 70 países, comandados pelos Estados Unidos, em protesto à invasão Soviética no Afeganistão, que ocorreu no ano anterior. A URSS devolveu na mesma moeda e, quatro anos depois, não mandou sua delegação para os jogos de Los Angeles. 

Quarenta anos antes ocorreu o cancelamento das Olimpíadas de Tóquio e, 40 depois, o adiamento dos jogos que também acontecerão na capital japonesa. 

Leia o comunicado na íntegra

O Presidente Bach e o Primeiro Ministro Abe expressaram a preocupação comum com a pandemia mundial do Covid-19 e o que isso está fazendo na vida das pessoas e o impacto significativo que causa nos preparativos dos atletas do mundo todo para os Jogos. Em uma reunião amistosa e construtiva, os dois líderes elogiaram o trabalho do Comitê Organizador de Tóquio 2020 e observaram a grande evolução que está sendo feita no Japão para lutar contra o Covid-19.

A propagação sem precedentes e imprevisível do surto fez a situação no resto do mundo se deteriorar. Ontem, o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse que a pandemia do Covid-19 está acelerando. Atualmente, existem mais de 375 mil casos registrados em todo o mundo e em quase todos os países, e seu número está aumentando a cada hora.

Nas atuais circunstâncias, e com base nas informações fornecidas hoje pela OMS, o Presidente do COI e o Primeiro Ministro do Japão concluíram que os Jogos da XXXII Olimpíada, em Tóquio, devem ser remarcados para uma data posterior a 2020, no mais tardar no verão de 2021, para proteger a saúde dos atletas, todos os envolvidos nos Jogos Olímpicos e a comunidade internacional.

Os líderes concordaram que os Jogos Olímpicos de Tóquio poderiam ser um farol de esperança para o mundo durante esses tempos difíceis e que a chama olímpica poderia se tornar a luz no fim do túnel em que o mundo se encontra atualmente. Portanto, ficou acordado que a chama olímpica vai permanecer no Japão. Também ficou acertado que os Jogos manterão o nome de Jogos Olímpicos e Paralímpicos Tóquio 2020.

Assine nossa newsletter

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas

Publicidade
Trending Now
Publicidade

Relacionados

Bolsonaro, o covid-19 e a caixa de empatia

Política

Estamos na merda

Política

Quando voltarmos, não teremos mais Aldir Blanc. E o que mais?

Música

Avanço da covid-19 ameaça realização do carnaval de Salvador

Política

Publicidade
Assine nossa newsletter

Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Connect
Assine nossa newsletter