Siga-nos

Cinema

“Flordelis – Basta uma palavra para mudar”: o UP viu para você não precisar ver

Recheado de estrelas globais, ninguém da família apareceu na obra. Só Flordelis

Reprodução

Há meses o Brasil vem convivendo com a investigação de um crime escabroso. A morte do pastor Anderson do Carmo, que foi assassinado em junho de 2019. A primeira suspeita era de que ele tinha sido morto após um assalto, mas nesta semana a Polícia Civil terminou o inquérito que aponta sua esposa, a pastora e deputada federal Flordelis, como a responsável pelo crime.

A história é digna de um filme, série ou podcast sobre crimes reais. Anderson era, ao mesmo tempo, marido e FILHO ADOTIVO de Flor. Antes ele era casado com Simone, FILHA BIOLÓGICA DA PASTORA. Internautas rapidamente começaram a tentar explicar, de modo criativo, toda a confusão.

Acontece que o filme sobre a vida da pastora e deputada federal já existe. Se chama: “Flordelis – Basta uma palavra para mudar”, de 2009. O que chama a atenção no cartaz de divulgação é o tanto de atores globais fazendo parte do elenco. Reynaldo Gianecchini, Alinne Moraes, Letícia Sabatella, Cauã Reymond e outros toparam a empreitada sem receber cachê, só pra ajudar a instituição de Flor, que resgata crianças de rua. Ela chegou a ter mais de 50 filhos adotivos e alguns deles a acusam de tratá-los de maneira diferente . Um deles disse que ele teve que ter relações sexuais com Flor para que fosse “purificado”. 

Na noite da última terça-feira (25) eu topei o desafio e dei o play no filme que conta a história de Flor. A obra já começa usando uma ferramenta já tradicional no cinema mundial: começar o filme pelo fim. Outra pitada de ousadia é que a obra é toda em preto e branco. Quer dizer, quase toda.

As grandes estrelas aparecem interpretando os homens e mulheres resgatados por Flor nas ruas e contando suas histórias. A maioria segue um roteiro de encontro quase mágico com a pastora: são pessoas perdidas no crime, nas drogas ou na prostituição e que ao escutar a palavra de salvação, rapidamente são convencidas a abandonar a vida pregressa. 

Reynaldo Gianecchini, por exemplo, é Alex. O traficante carioca conta a sua história dizendo que na época de seu auge no crime era rodeado por “minas”. O sotaque paulista dele pode causar estranhamento no início, mas o ponto alto de sua fala é quando ele diz que “inventou o arrastão na praia”. Existe também o traficante sulista, interpretado por Rodrigo Hilbert.

Além do discurso desses depoimentos seguir um roteiro muito parecido, eles ainda são recheados de músicas melosas, o que pode emocionar ou tornar a coisa enfadonha pra quem assiste. Outro ponto em comum são que todos eles são em preto e branco, menos o de Flordelis, que até abusa das cores com sua jaqueta azul. Além disso, ela é a única da família a parecer. Enquanto todos os filhos e filhas são interpretados pelas estrelas, Flordelis interpreta ela mesma.  

Outro ponto que nos chama a atenção hoje, mais de 10 anos depois do filme ter sido feito, é o depoimento de Anderson do Carmo, que é interpretado por Marcello Antony. Ele não conta que era adotado por Flor nem que havia namorado a filha biológica da pastora, Simone, vivida por Deborah Secco. A única história é que ele se apaixonou pela heroína após vê-la passando no meio de um tiroteio entre facções rivais. 

Já Erik Marmo interpretou Flavio, outro filho biológico de Flor. Ele conta a história de que ficou revoltado com mãe e entrou para o crime após a mesma descobrir uma traição de seu pai e o expulsar de casa. O modo de agir com o primeiro marido foi, digamos, mais ortodoxo. Ao invés de matar, só rolou uma separação mesmo. 

A obra é bastante chapa branca e até pode servir como humor involuntário, como filme de fato, não funciona. Depois de assisti-lo é possível ver que os atores e atrizes escalados não tiveram AQUELE envolvimento com a história e atuaram mesmo fazendo juz ao cachê de zero real.             

Fica agora a expectativa de quem vai fazer a continuidade da franquia e o nome que será adotado. Humildemente sugiro: Flordelis 2: a inimiga agora é ela mesma. 

Assine nossa newsletter

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Últimas

Publicidade
Trending Now
Publicidade

Relacionados

‘Para Todos Os Garotos: PS. Ainda Amo Você’: o clichê adolescente da Netflix é até gostoso de assistir

Cinema

Rick Moranis volta aos cinemas após 24 anos Rick Moranis volta aos cinemas após 24 anos

Após 24 anos, Rick Moranis volta aos cinemas

Cinema

Publicidade
Assine nossa newsletter

Copyright © 2020 | Todos os direitos reservados.

Connect
Assine nossa newsletter